Voltar

Dicas para fazer a melhor escolha em uma harmonização de vinhos

Além do Sabor

20/11/2018

Saborear uma boa taça de vinho é uma experiência sem igual. Quando há uma harmonização de vinhos com os ingredientes certos, esse momento pode ser ainda melhor. São inúmeras possibilidades de combinações que criam novos sabores e resultam em experiências sensoriais incríveis.

Uma boa harmonização acontece quando um complementa o outro e, com a combinação dos sabores e aromas, desperta novas sensações sensoriais, especialmente a gustativa e a olfativa. No caso da harmonização de vinhos, nada é definitivo, existem muitas opiniões por aí. Se quer saber um pouquinho mais sobre harmonização de vinhos, confira o nosso post blog!

A importância da harmonização de vinhos

Uma das características da gastronomia é proporcionar o máximo de todos os sabores e a harmonização está ligada a proporcionar aos degustadores uma experiência que seja única e inesquecível, dividindo em dois estilos: a harmonização por complementação e a por contraste.

A harmonização por complementação, também chamada por afinidade, é quando os aromas e os sabores são semelhantes, tanto do alimento, quanto da bebida, dando equilíbrio a sua experiência. Já a por contraste, também chamada de oposição, é quando a harmonização acontece de acordo com as características opostas de cada um, mas quando combinadas são harmônicas.

Os tipos de uvas mais usados na produção de vinhos

Quanto mais conhecemos sobre o vinho, mais fácil fica para a harmonização. Os amantes de um bom vinho geralmente experimentam vários tipos, mas nem todo mundo sabe que a mesma uva pode produzir um vinho tinto e branco, tudo depende da vinícola. Confira alguns tipos de uvas mais tradicionais para produção de vinhos:

  • Malbec

As uvas Malbec são tradicionalmente francesas, mas podem ser encontradas uma grande produção na Argentina, graças a combinação do clima perfeito, geografia e solo. As variações bruscas de temperatura ao longo de um único dia são ideais para que as uvas cresçam e amadureçam no tempo correto.

Essa uva tem uma textura aveludado com um sabor intenso e aromas que trazem tons de ameixa e cereja, e sua coloração é tinta e intensa, como tons de vermelho e violeta bem escuros. A harmonização é bastante ampla, desde carnes vermelhas com temperos marcantes até receitas leves e refrescantes, com vegetais e ervas.

  • Chardonnay

É a uva que mais produz vinhos brancos no mundo, muitas vezes podendo ser confundida com o nome da bebida. Têm origem na França, mas é muito cultivada nos Estados Unidos, no Chile e no Brasil. Para a sua produção precisa-se de muito cuidado, pois é uma uva que sofre muito com variações de temperatura, chuvas e qualidade do solo. Isso significa que os vinhos terão características diferentes ligadas ao seu país de origem e também ao perfil de cada vinícola.

Em regiões de clima mais ameno, as uvas produzem um vinho mais cítrico. Já com o clima frio, possuem uma acidez mais alta puxando para notas de ameixa e maçã. Uma uva muito versátil, mas que é mais encontrada como espumantes.

  • Cabernet Sauvignon

Muito conhecida e tradicional, a uva cabernet sauvignon é de origem francesa, mas pode ser encontrada em várias regiões do mundo, geralmente com o clima temperado e quente. A variação de tempo é o que mais influência no gosto final do vinho, quando mais ela fica no barril envelhecendo, mais saboroso fica.

Em geral, essa uva produz vinhos ideais para acompanhar refeições, podendo ser tinto ou branco, mas a maioria tem o tom mais escuro. São vinhos mais secos e com um equilíbrio bastante característico de amargor e aroma, excelente para se harmonizar com pratos de sabor intenso, como a carne bovina, o bacalhau e os queijos fortes.

Dicas de harmonização de vinhos

Cada um tem o seu paladar e, quando se trata de vinhos, existem vários tipos e variações, por isso na harmonização de vinhos nada é uma regra rigorosa. As combinações são feitas com base em características e especificações comuns entre os tipos de vinho e os alimentos. Conheça alguns e sugestões de combinações de pratos:

  • Vinho Tinto: combinam melhor com carnes, mas como existem vários tipos, os tintos são famosos por sua versatilidade. O tinto seco, por exemplo, combina bem com carnes vermelhas fritas ou grelhadas e peixes também.
  • Vinho Branco: a melhor harmonização desse tipo de vinho é com peixes e frutos do mar, é muito raro combiná-los com comidas muito temperadas e carnes vermelhas.
  • Vinho Rosé: esse tipo de vinho fica ótimo com carnes magras grelhadas, frango assado e massas italianas, mas já não combina com peixes e mariscos, carnes gordas e queijos azuis.
  • Espumante – é um dos tipos mais flexíveis e vai bem com diversos pratos, harmoniza muito bem com queijos de massa branca, entradas, peixes, carnes gordas e aves assadas.
  • Vinho do Porto – um dos mais clássicos, combina mais com frutas secas, bolos e sobremesas.

Existem também algumas dicas gerais que auxiliam a fazer as melhores escolhas em uma harmonização, baseando-se na combinação da bebida com as características dos alimentos, com o sabor e com os grupos a que pertencem. Por exemplo:

  • Comidas apimentadas vão bem com vinhos menos alcoólicos;
  • Sabores cítricos ficam melhor com vinhos brancos;
  • Molhos à base de queijo ou amanteigados combinam mais com vinhos brancos e cítricos;
  • Alimentos de menos sabor, como massas e aves, a harmonização acontece com os molhos das refeições.

Recentes